Tecnologias modernas para reforço de solos surpreendem público

Gostou? compartilhe!

Tecnologias modernas 

A Keller Tecnogeo, com o apoio da ABEF, ABMS e da ABGE, reuniu mais de 200 profissionais em sua série de workshops “Inovação: base da sustentabilidade na Geotecnia”, realizados entre os dias 15 e 18 de maio em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro para apresentar técnicas modernas voltadas à otimização de custos e prazos em obras envolvendo melhoria de solos.

São Paulo

São Paulo

Belo Horizonte

Belo Horizonte

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Abrindo as palestras, o diretor Marcelo Felix dos Santos disse que “Apesar de oferecer grandes vantagens econômicas, de sustentabilidade e facilidade de aplicação, muitas dessas tecnologias ainda são pouco conhecidas e utilizadas no Brasil, e é preciso que os profissionais envolvidos em obras geotécnicas possam atualizar-se para que toda a cadeia se beneficie destas inovações”.

O palestrante convidado, Bertrand Stoehr, Gerente Sênior do Grupo Keller, mobilizou a atenção dos participantes ao descrever as vantagens propiciadas pelas técnicas de reforço em relação ao uso de estacas, como a redução de custos e prazos de instalação em função da dispensa de armaduras, arrasamento e capitéis, além da redução da pegada de carbono da obra, do volume de armaduras e de concreto estrutural empregados.

Utilizando o vibrador de profundidade fabricado pela Keller, as técnicas envolvendo Vibração Profunda aumentam a compacidade dos solos granulares por meio de Vibro Compactação ou Vibro Substituição, com a instalação de colunas granulares compactadas. Um sistema eletrônico faz o monitoramento de diversos parâmetros, como vibração e posicionamento das colunas, garantindo a qualidade final da solução.

A tecnologia Deep Soil Mixing (DSM) estabiliza solos compressíveis por meio da injeção de uma mistura de solo e agente estabilizante. Hastes rotativas especialmente projetadas pela Keller para este fim constroem Colunas de Solo Cimento que podem ser arranjadas em diversos padrões conforme as necessidades de projeto. Uma das grandes vantagens desta tecnologia é o emprego de uma taxa reduzida de cimento no processo de mistura, a dispensa do uso de armaduras e a capacidade de limitar recalques a valores mínimos.

Despertando grande interesse entre os presentes, tanto em função de sua característica inovadora quanto por simplificar o processo construtivo, foram apresentadas em detalhes as técnicas CSC (Coluna de Rigidez Controlada) e CMM (Colunas com Módulo Misto).

Na execução da CSC é feita uma injeção de concreto ou outra mistura reduzindo os recalques em solos moles ou muito moles, tornando-as ideais para aplicação na construção de armazéns, tanques e edificações diversas.

Já as Colunas de Módulo Misto – CMM são uma evolução desta tecnologia. Desenvolvido pela Keller e largamente utilizado nos EUA e Europa, este processo reúne duas soluções diferentes, combinando os benefícios de ambas. Primeiro é construída uma coluna de rigidez controlada, e em seguida, mais próxima da superfície, é executada uma coluna de brita curta por processo de vibrosubstituição.

Segundo o engenheiro Sérgio Ludemann, da Ludemann Engenharia, “A palestra abordou temas muito interessantes para tratamentos de solos de baixa capacidade suporte e apresentou soluções inovadoras para o meio técnico brasileiro. Foi para mim especialmente interessante a apresentação dos métodos CSC e CMM, cuja aplicabilidade pode ser bastante grande, especialmente em obras litorâneas e no centro do país”.



Publicado em: 08/06/2018

Gostou? compartilhe!