Elementos autoperfurantes

DHP e Hastes de injeção Autoperfurantes

São elementos tubulares semelhantes aos utilizados nas enfilagens, que adaptados com um helicoide por fora e furos posicionados com diâmetros em pontos especialmente estudados em função da granulometria do solo, permitem ser instalados por processo rotativo a seco. Dependendo do caso, é possível instalá-los em comprimentos de até 15 metros.

Enfrentando situações de contenções delicadas em maciços compostos por solo de baixa coesão na presença de lençol freático, a solução tem sido a utilização destes elementos autoperfurantes (hastes metálicas tubulares), que no primeiro instante quando instalada funciona como dreno, para em seguida, após ter amenizado o problema do fluxo descontrolado da água, trabalhar como ancoragem, através de injeções estratégicas.

Estacas e Tirantes Autoperfurantes

Esta solução de fundação consiste em introduzir no terreno, ao longo do solo de baixa a média resistência, estacas autoperfurantes (self-drilling) armadas com tubos metálicos e injetadas com calda de cimento a pressão controlada.

Este processo não provoca vibrações no terreno, além de operar com baixas pressões de injeção.

O processo constitui-se numa alternativa viável em obras urbanas, uma vez que não provoca vibrações no terreno ou deslocamentos do solo, além de ser de rápida execução.

A estaca tubular injetada Self-drilling, ou autoperfurante é uma ancoragem tubular sem pré-furo. A armação é composta de um tubo metálico tipo SCH, de alta resistência, dotado de ponteira perdida, forma de tricone ou cruzeta. O conjunto ferramenta cortante / tubo metálico, pode ser cravado e injetado, no caso de solos moles ou introduzido por rotopercussão ou rotação em solos mais resistentes. Utilizando-se calda de cimento como fluido durante a perfuração. Deste modo, desenvolvem-se altas tensões de aderência sem permitir relaxação de tensões no meio encaixante.

Para atender carga de projeto eventualmente pode ser adicionada armadura complementar composta de barras metálicas.

À semelhança das estacas, os tirantes, elementos estruturais dimensionados para trabalhar a tração e que são tradicionalmente implantados no terreno através de perfuração prévia e consolidados no solo ou rocha através da injeção de calda de cimento podem utlilizar-se desta técnica.

Nesta modalidade, o tirante autoinjetável ou autoperfurante consiste num conjunto de hastes ou tubos nervurados que são instalados no terreno através de etapa única de perfuração com injeção simultânea. O conjunto de hastes tubulares de perfuração que também irão compor o elemento definitivo resistente à tração são emendados por luvas rosqueáveis, tendo à extremidade uma peça de perfuração perdida chamada de tricone ou cruzeta, com características compatíveis ao terreno a perfurar. Após a instalação do tirante com os elementos característicos bem definidos (trechos livre e ancorado), aguardado o prazo de cura do cimento, instala-se a cabeça e executa-se a protensão.